Lista de desejos ou metas?


É comum no início de cada ano nos propormos a pensar o que queremos realizar no ano que começa e então, escrevermos “a lista do que quero realizar neste ano”.

Fazemos essa lista, talvez porque queremos nos desafiar, ou porque nos sentimos energizados com a ideia de um novo começo, uma nova oportunidade para fazer coisas, ou mesmo, porque somos levados pelas inúmeras mensagens motivacionais que nos são repassadas por amigos, familiares e até desconhecidos que nos incentivam a fazê-lo, são tantos apelos, que nos sentimos até ETs caso não entramos nessa.

Costumo dizer que sonhar é um dever de todos. O problema é que na maioria das vezes definimos mais desejos do que metas propriamente e terminamos o ano sem entender por que não realizamos nada do que havíamos nos colocado como iniciativas promissoras e cheias de vontade.

Quando converso sobre isso com pessoas que são para mim exemplo de seres realizadores (e consequentemente bem-sucedidas), noto que elas não fazem uma lista de desejos. Suas propostas de realização estão sempre correlacionadas.

Essas pessoas não fazem um curso de inglês porque é “necessário”, elas fazem porque querem concorrer a uma vaga no exterior, ou participar de uma atividade fora do país, ou viajar de férias sem precisar depender de ninguém.

Essas pessoas fazem uma dieta não necessariamente porque “acham que deviam”, mas porque querem cuidar da saúde, ou querem entrar numa roupa que adoram, ou querem melhorar sua imagem e passar uma mensagem para o mundo que tem que ver com seu interior.

Não compram roupas “por impulso”. Essas pessoas compram uma roupa que combina com outra, ou que vão usar em determinado evento, ou que complementa o seu guarda roupa atual.

Então, ao observar esses comportamentos percebo que pessoas bem-sucedidas têm metas claras sobre suas vidas, em qualquer área da vida. Têm foco e estão constantemente com as rédeas de seu destino.

E isso está muito longe de se ter uma lista de desejos no começo do ano.

Eu costumava fazer essa lista, escrevia num papel e deixava sobre a minha mesa do escritório.

No final do ano eu checava a lista e realmente, alguns dos itens eu realizava, mas a maioria não. Hoje eu entendo que o que realmente eu realizava eram exatamente os itens que estavam correlacionados. Os desejos ficavam no papel.

Então em 2020, desejo que você faça uma lista de metas, pense no significado do que você gostaria que acontecesse, se acontecesse. O quanto isso traria de benefício para você, de consequência produtiva, de valor. O que a meta tem a ver com sua vida pessoal, profissional, amorosa, familiar.

Se a lista contiver desejos sem correlação, apague e comece de novo.

Você vai ver que não se trata de quantidade. Essa lista poder conter uma, duas metas poderosas que podem mudar sua vida e, acredite, a energia que você irá imprimir será outra e, quando chegar no final de 2020, você terá a satisfação de comemorar a realização de metas de início de ano.

Mais recentes

Missão

Tornar acessível as práticas de RH-Gestão de Pessoas que  geram transformações extraordinárias.

  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon